Brasil se beneficia de cotas sociais no ensino superior

0

O desempenho dos estudantes que acessaram o ensino superior por meio de políticas de inclusão social no Brasil é igual e às vezes até melhor que o de seus pares, segundo estudo publicado pela revista Educação e Pesquisa (12 de janeiro) e apoiado pela FAPESP. Fundação de Pesquisa).

Os pesquisadores avaliaram cerca de um milhão de estudantes que participaram do Teste Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE). Isso equivale a um terço do total de alunos que fizeram o teste entre 2012 e 2014.

As políticas de inclusão consideradas no estudo representam um sistema de cotas para pessoas que têm menor acesso a universidades. Entre eles estão populações negras e indígenas, pessoas com deficiência e estudantes de escolas públicas de baixa renda. Também inclui os beneficiários de dois programas de inclusão social apoiados pelo Ministério da Educação: o programa Universidade para Todos (PROUNI) e o Fundo de Apoio ao Aluno (FIES).

“Trabalhando com os dados de 2012-2014, pudemos traçar o desempenho de um terço dos alunos de pós-graduação naquele período. Observamos que as qualificações dos alunos que vieram de alocações de [cotas] ou [através do] FIES não eram significativamente diferentes de seus colegas de classe. E as qualificações dos bolsistas do PROUNI eram muito melhores do que os colegas ”, disse Jaques Weiner, professor de informática da Universidade Estadual de Campinas, em artigo publicado no boletim da FAPESP .

O sistema de cotas raciais e sociais tem sido controverso desde que foi criado. “Apesar da extensa literatura, há poucos que apóiam seus pontos de vista – seja a favor ou contra o sistema – baseados em evidências”, diz Wainer.

“Um dos argumentos usados ​​por aqueles que se opõem às cotas é que esse sistema representa uma perda para a sociedade, pois os cotistas tiram do sistema educacional alunos mais qualificados; e porque, após a graduação, eles se tornam menos qualificados como profissionais do que os não-cotistas ”, explica Wainer. Ele ficou surpreso que a pesquisa da equipe refutasse essa hipótese.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *